ESCOLA E PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA: UMA LEITURA CRÍTICA

Frederiko Luz Silva

Resumo


O presente trabalho refere-se a uma parte da pesquisa de doutorado, cursado no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás – PPGE/FE/UFG. A referida pesquisa tem como tema “Juventude e violência no contexto do Ensino Fundamental” e, neste artigo, apresentamos o resultado do trabalho desenvolvido para fins de avaliação da disciplina “Escola e desigualdades”. O objetivo, aqui, foi compreender quais são as raízes históricas da constituição da escola brasileira como instituição de prevenção da criminalidade/violência e entender como os processos de exclusão e violência se reproduzem na dinâmica escolar. Para alcançar tal intento, realizou-se um estudo teórico partindo da análise de algumas publicações de Patto (1996, 1999a, 1999b, 2005, 2007), verificando-se que o lema “escolas cheias, cadeias vazias” surgiu ainda no período imperial brasileiro e se manteve na continuidade histórica; na atualidade, é percebido pelo princípio da equidade em substituição ao da igualdade. Tal movimento está presente na base das políticas educacionais brasileiras em vigência, o que, em nosso entendimento, possibilita o processo de desqualificação da população pobre e sua consequente marginalização.


Palavras-chave


Escola; Prevenção da violência; Desqualificação dos pobres

Texto completo:

Vol15-1-art-8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 RENEFARA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

RENEFARA - Revista Eletrônica de Educação da UniAraguaia Centro Universitário - ISSN: 2236-8779

 

 

 



SalvarSalvarSalvarSalvar